Parcerias chinesas devem ter expansão

Parcerias Chinesas devem ter expansão

Notícia veiculada no Jornal Estado do Ceará em 25/01/2016

O presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-China (CCIBC), Charles Tang, esteve reunido com empresários cearenses e falou sobre as boas opções que podem ser aproveitadas em transações comerciais com grupos empresariais asiáticos. Ele destacou que o Brasil é o maior parceiro comercial de seu país e que os chineses acreditam muito em investir aqui. “Nossa visão é muito focada em fusões, incorporações e administração financeira. A China investe fora de seu território por vários motivos, como presença de mercado, exportação de excedentes, diversificação de parcerias comerciais, dentre outros”, ressaltou.

Outra questão importante, segundo ele, foi o elevado investimento que o governo chinês realizou na implantação de Zonas de Processamento de Exportação (ZPE), a exemplo da que já está em pleno funcionamento no Complexo Industrial e Portuário do Pecém, única do Brasil. “A antiga província de pescadores de Shenzhen, atualmente, é uma grande metrópole e exporta mais que o Brasil”, disse Tang. Ele afirmou, ainda, que a China deve transferir cerca de 400 milhões de pessoas do campo para os centros urbanos, o que deve representar aumento no consumo de minério de ferro, em especial para construções.

E lembrou que o Brasil tem um grande potencial de crescimento das suas exportações, desde que implante uma política industrial que dê chance de competitividade às empresas. “A legislação fiscal brasileira assusta os empresários chineses, devido à sua complexidade e burocracia. Mesmo assim, nossa câmara tem trazido investidores da China para atuar aqui no Brasil, inclusive, estamos em conversa com o Governo do Ceará para trazermos empresas chinesas para atuar na ZPE-Ceará, que representa excelentes oportunidades aqui”, completou Charles Tang.

foto Charles com empresarios do Cera